27 novembro, 2011

5∞


Sabes o que eu vejo, para além do mais-que-perfeito? Inexistência.

Espero bem que esteja a dormir, sossegado, sozinho no escuro do meu mundo, quebrado pelas linhas de luz que me são oferecidas por ter deixado a persiana entreaberta.
Tenho medo do escuro, talvez. Tenho medo de um lugar sem ti, sim.

Ouve-me, quero demasiado o sonho neste momento, porque se estas palavras se reflectem em realidade, falhei redondamente.

Falhei, mas tu nem estiveste lá. Vestiste o robe e simplesmente desceste para o pequeno-almoço com ele, mais-que-perfeito. No fim, olhaste o horizonte à tua frente e correste para enxotar o beija-flor que te pairava no jardim.
Continua a colher as tuas flores, quando ele já esvoaçara.



Deste-lhe inexistência, minha querida.












6 comentários:

Renata disse...

Obrigada meu querido!
E gbostei muito deste*

lúciacosta. disse...

adorei, asério. :))
podes-me dizer o nome da música? obrigado*

lúciacosta. disse...

ohhh, muito obrigado querido*

MariaCouto disse...

Estou a seguir, gosto do blog *-*
Segues-me ? http://moments-ec.blogspot.com/

bruni disse...

mais uma vez, sem palavras!

Someone* disse...

já eu adoro o teu romantismo *.*