14 agosto, 2012

21∞

19 ♣

Vem em pontas de pés, flutuando quase, quase feliz. Só o respirar em mim te adormece e eleva. A mim, só as tuas mãos me conhecem, saudoso de ti não durmo, conto-me histórias de princesas reais até não aguentar mais. Embora até as sombras me lembrem do teu cheiro, as cores espalhadas pelo ar trazem-te sempre.
Acabarei a sorrir, perdido.
Foste inverno e nevadas, foste água e ácido... Agora, serás o resto meu amor.
Hoje chove, estradas e passeios negros, curvas de água e os seus círculos  dançantes... Tens o mundo fechado por janelas embaciadas, fica comigo esta noite, não existas lá fora. Abraça-me como se fosse teu, imagina-me a tua saída, uma qualquer ponte.
Encaixa-me e deixa este mundo feio, amanhã, preparo-te o pequeno-almoço.

18 junho, 2012

20∞

10 ♣


Olho-te afim, através de um copo incolor, sobre as pequenas vibrações de água em vidro que o completam. Chego a ti por universos etéreos em lupa. Ser de as mãos quentes, braços trémulos e boca serrada e definida. És o dó no meu Outono, o mi na primavera. 
Tu, luz contínua em noites de selva, transversais em fumo e gravatas pretas. 
Desfoco as estrelas e foco-te em plano, tal como uma foto antiga, confortante numa mesa humilde.
Sorri em mim, escreve em mim, vive em mim até a saudade do sol renascer. 
Isto? Apenas um dos mil pequenos mundos que moram nesse copo à tua frente. Escolhe o próximo, é a tua vez...  

23 maio, 2012

19∞

14 ♣

Estou de pé, acho eu. Olho a noventa graus e vejo-me aconchegado por milhares de constelações que me cobrem como se tecessem a capa que vestes. Deslumbrante o quadro que aprecias enquanto respiras no meu mundo, para o meu mundo. 
Curvo-me perante a tua grandeza, tal como as tuas pestanas pelos raios de sol que aquecem a tua pele, minha. Quero-te numa pequena caixa sem chave, dança só para mim. Quero que sejas as cores nos batimentos dos meus sonhos. Segura-me enquanto caio, cai comigo mais tarde. Esconde-te por detrás das árvores e pára o tempo para eu não te encontrar, faz batota com a vida e ganha-me.
Quantos pirilampos já tens? Não desistas meu amor, eu ajudo, sempre.