25 janeiro, 2011

Morning sun-ray


Fácil, entrares devagar sem te verem,
Desenha um breve sorriso, esconde-o.
Difícil, olhar para a cadeira vazia.
Rosas em cima da mesa, rosas tuas.
A luz que paira no ar, dá-te vida,
Deixaste a janela aberta para ela entrar.
Senta-te, come
Sozinho, ouve.

Um novo dia, só agora rasgou.
O reflexo das cores do mundo,
Está no teu olhar....
Desliga a luz e sai.
Metade de mim ao espelho vai envelhecer só,
Mas, eu não.

Um comentário:

catarina sousa disse...

o meu preferido.. e como tu disseste, é como o primeiro raio de sol. E é mesmo!
continua a escrever assim e não pares nunca (:
e eu vou continuar a lê-los.
beijinhos, de uma não anónima*